Modo de usar:

.......................................Espaço de Educação Musical para pais, alunos, amigos e colegas de profissão da professora Luciana.

terça-feira, 20 de novembro de 2012

Aula 25 - Maternal, Infantil I, II e III - Os sons da água (atividade sensorial)

Sobre o tema da aula

Poucas coisas dão tão certo juntas como a fórmula água + criança. Embora requeira o olhar atento de um adulto para garantir a segurança, a brincadeira com água é um dos estímulos mais ricos que a criança pode experimentar, uma vez que todos os seus sentidos são convidados a diversas descobertas.

Já trabalhamos os sons das águas e das criaturas da água em aulas anteriores, através de músicas e instrumentos temáticos, mas desta vez eu planejei uma atividade mais sensorial, que não envolvesse tanto a música externa, orientada, mas a música que as próprias crianças pudessem criar através de um ambiente preparado. Essa experimentação sonora que vem delas mesmas, é algo marcante, profundo, e que constrói um repertório de ideias criativas que serão, futuramente, utilizadas para fazer música formal. O objetivo desta aula foi promover o contato da criança com a água de diversas maneiras, para que a produção de sons ocorresse de forma natural, espontânea. Mais importante que ser apontado, na aula de hoje, o som criado pela criança deveria ser sentido. Meu papel hoje foi apenas oferecer diversos instrumentos para que a interação entre água e som ocorresse com encanto e alegria. Incidentalmente comentávamos sobre as caracertísticas dos sons que elas produziram: grave, agudo, longo, curto, forte, fraco, diferença de sons e texturas... mas a tônica foi "ouvir com corpo" e "tocar com o coração".

A aula foi um sucesso!

Como foi?

Nossa piscina era pequena, então em todas as atividades dividi um grupo dentro da piscina, e outro fora, mas fazendo atividades relacionadas, e depois, revezávamos os grupos. Começamos com os tambores.

Os que ficaram dentro da piscina, tocaram tambores de água próprios para esse ambiente. Eles produzem sons diferentes se tocados dentro ou fora da água (na verdade, as crianças experimentaram tocá-loa té de ponta-cabeça kkkk). Coloquei também um "ocean drum", que é um tambor de mão cheio de bolinhas, que imita o som das ondas do mar.


Os que ficaram fora, construíram seus próprios tambores de água com potes plásticos, baquetas, água com anilina e muita experimentação (como soa se batermos embaixo, em cima, de lado, com a tampa, sem a tampa, com muita água,com pouca água...)


 A próxima atividades foi com instrumentos de sopro. Os que ficaram dentro da piscina, utilizaram flautas de água e de êmbolo (também funciona mudando o nível da água). O nível da água é que determina se o som será mais grave ou mais agudos. No caso dessas flautinhas, também é possível tocar cada nota musical da escala de dó, pois a flauta é graduada com essa intenção :-) Apaixonante, né?

 Os que ficaram do lado de fora utilizaram pedaços de conduíte (tubo oficialmente usado para passar fios elétricos em construções, mas muito utilizado por professores de musicalização também), a intenção era soprar a água para ouvir que som isso fazia, mas logo logo as crianças encontraram outras formas divertidas de usar os tubos: enchendo com água, juntando com as flautas, enrolando, batendo na água, passando a mangueira de água por dentro ahahahha


Bem, alguns do grupo de fora não ficaram tão fora assim, hehehe
 

Com squeezes e borrifadores, nós relembramos a parlenda do tubarão (livro-fantoche de plástico): "Tubarão está com fome, o que ele vai comer? Peixinho vira janta se não correr!", e nesse momento, deveriam jogar água no tubarão. Claro que sobrou pra tia Lu, que ficou toda molhada, hahahah Depois, muita experimentação para ouvir que barulhinho os squeezes e borrifadores podem fazer, sozinhos ou em contato com a água ou outros materiais.



Também utlizamos músicas para trabalhar o acompanhamento rítmico. Com os "Golfinhos Do - Ré - Mi" e o xilofone desmontável que bóia da água, cantamos "Peixinhos do mar". Você pode utilizar o áudio abaixo e pedir para as crianças tocarem no pulso da música enquanto cantam:



Com os golfinhos (quando se bate em suas cabecinhas eles apitam suavemente):


 Com o xilofone desmontável (que tb funciona como quebra-cabeça):


 Com chocalhos de mini-pet, feito com botões e continhas de bijouteria em formato de estrelas-do-mar, peixinhos, conchas, cavalos marinhos e outras criaturinhas marítimas:



Observe que, a cada nova atividade, nem todos os materiais da atividade anterior eram retirados, propositalmente, para que as crianças tivessem a liberdade de escolher como e com o que interagir, muitas vezes misturando dois materiais para criar um novo som.

Chegou a hora da nossa "Caça ao tesouro". Cada criança recebeu um copinho com tampa, e, ao sinal da tia Lu, deveriam procurar na piscina por pedrinhas brilhantes em formato de pedras preciosas, pegá-las com uma peneira, e colocar em seus copinhos para fazer um chocalho. Terminamos nossa aula cantando "Peixe Vivo" e tocando nossos chocalhos.


Um bom modo de terminar a aula é com uma nuvem de bolhas de sabão para serem estouradas com uma chuvinha feita pelas crianças, com a água da piscina sendo jogada para cima.



Dicas para pais

Os instrumentos musicais de brinquedos que utilizamos nesta aula foram comprados NESTA LOJA. Todos os instrumentos vem com pequenas partituras de plástico para a criança tocar no banho. O frete para o Brasil é em torno de cinquenta dólares. Os golfinhos são vendidos por fabricante brasileiro também (Golfinhos Dó Ré Mi) . Pense bem antes de jogar fora potes e copinhos plásticos que podem alegrar muitas brincadeiras!







Se quiser conhecer mais brincadeiras sensoriais que você pode fazer com seu filho (a), acesse ESTE LINK AQUI, e conheça mais sobre a proposta montessoriana.

Dicas para professores

Antes da atividade sensorial, converse com os alunos sobre os sons da água. O vídeo abaixo pode ser uma boa introdução. Você pode procurar mais sons da água acessando ESTE LINK e digitando "water" no campo de procura. Com esses sons pode fazer um joguinho de reconhecimento sonoro.


Caso não tenha, por exemplo, as flautas de água, pode fazer um experimento com copos ou garrafas com água para mostrar que o som pode ficar mais grave ou mais agudo, conforme varia a altura da água no recipiente. NESTE SITE há um bom vídeo para crianças explicando o experimento.


Um comentário:

  1. Espetacular!Deve ter sido super divertido e estimulante para eles!

    ResponderExcluir